quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Basta querer

Publicada por Sofia Freitas à(s) 14:54 0 comentários

quarta-feira, 26 de julho de 2017

A lei do saber...

Publicada por Sofia Freitas à(s) 07:05 0 comentários

(É aconselhada a leitura do seguinte texto ao som de Kelly Clarkson - Invincible)




Saber pensar, saber agir, saber falar.
Arte de quem alguma vez, aprendeu a ganhar o seu próprio rumo só.
Para quê investir em algo, que não nos trará futuro algum.
Temos que saber separar aspetos positivos dos negativos, separar o bem do mal e acima de tudo saber distinguir desavenças de oportunidades.
Aceitar ou rejeitar, ficar ou partir... Escolhas, tudo se resume a "escolhas".
Não penses que podes subir na vida sem abdicares de algumas coisas.
Não penses que é só estalar os dedos e tens o mundo aos teus pés.
É um pensamento errado!
Tens que começar do zero e aprender a caminhar.
Tens que aprender a investir, os teus sonhos e a tua evolução dependem disso.
Só consegue subir na vida quem tiver humildade suficiente para descer quantos degraus forem necessários.
Tu, só és tu, quando conseguires equilibrar a tua mente e o teu coração.
Tu só saberás que és tu quando deixares o teu passado para trás, deixares de pensar no futuro e começares a viver o presente.
Tu só serás tu, quando aprenderes a gostar do que fazes e amares-te a ti próprio.
Tu és as tuas escolhas, pensamentos e ações.
Tu és o que quiseres ser.

Lembra-te disso!
Texto da autoria de: Luana

domingo, 12 de março de 2017

Subconsciente

Publicada por Sofia Freitas à(s) 08:40 0 comentários
(É aconselhada a leitura do seguinte texto ao som de Linkin Park Feat. Kiiara Heavy)


 Ora muito bem são dois meses sem escrever, deverei ter algo para dizer não?
Poderia abordar alguns quinhentos temas, sim porque a minha cabeça está uma autentica revolução.
Parece o meu quarto cinco minutos antes de sair de casa.
Se estou bem? Não sei. Aparento estar bem? Vocês que me digam.
Aposto que estariam estupefactos com algumas conversas, atitudes e talvez algumas pessoas.
Quem diria que podemos mudar tanto.





 Já vivi duas décadas, porque é que quando me olho ao espelho nunca me reconheço?
No entanto há aqueles dias que vou buscar força ao "cú de judas" (como se diz na minha terra), e enfrento os meus medos.
 A questão é: Porquê que abdiquei de tanto?
Realmente Luana, é uma boa pergunta.
Parece que te esqueceste dos teus principios, das tuas manias, da tua vontade de conhecer o mundo, novas pessoas, e de ganhar novas alegrias.
"Porque desististe disto tudo? Parecias estar tão motivada, energetica e animada."
Com certeza estava louca quando desisti de tudo, liguei tanto ao que as pessoas diziam que isto acabou por me destruir.





Conheci alguém que me deu tudo de si, alguém que quis ajudar me a superar os meus medos, alguém que me queria mostrar o mundo.
Onde está este alguém? Reconheço pouco desta pessoa. Tenho outra completamente diferente ao meu lado.





O que mudou?
Porque tudo ultimamente parece pesado.
Porque tenho que carregar tudo isto?
Não gosto de tentar perceber o meu subconsciente tem tantos problemas desnecessários e mesmo assim preocupo-me com eles.
Sinto que não tenho tempo para fazer o que quero, com quem eu quero.
Tento afastar esse pensamento e o resultado é o panico.
Talvez tenha me habituado a esse inferno, talvez não queira sair dele.


texto da autoria de: Luana

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Esperança

Publicada por Sofia Freitas à(s) 14:16 0 comentários
(É aconselhada a leitura do seguinte texto ao som de Paulo Sousa - Não Me Deixes Ir] )



Ainda não acredito que o ano está a terminar.

Num ano, muita coisa mudou. E no próximo muito irá mudar.

No entanto, a saudade de escrever manteve-se após meses a resistir.





Quando escrevo dedico-me ao texto com a minha alma, cada frase que surge é uma parte de mim nela retratada.

Pensei que fosse fácil embarcar numa aventura, atirar-me de cabeça aos meus objetivos sem pensar nas consequências.





Tenho tantas saudades... meu deus.

Sinto que mudei, não me reconheço. Quer dizer, sei que sou eu mas não sou a mesma.

Encontro-me hoje a desempenhar funções que nunca imaginei, afastei-me da escrita, da leitura, da música, dos estudos... mas nem tudo foi uma perca.





Decidi dar uma volta de 360º na mnha vida é verdade, mas por uma boa causa "AUTOREALIZAÇÃO".

Tive que abdicar de muito, mas estou nos braços do amor da minha vida.





A pessoa que é capaz de tirar-me dos meus momentos de desespero, abrir-me os olhos e erguer-me da minha angustia. Pessoa capaz de dizer-me as coisas sem ter medo de me magoar.

Pessoa esta que não me deixa desistir e que luta pelos mesmos objetivos com o intuito de termos uma vida estável os dois, ou quem sabe daqui a dias os três.





Com ele consigo ser eu, curar a dor que ainda mora em mim e deixar a alma sair do coração.

Ele acredita, e se ele acredita tambem eu posso acreditar, afinal de contas a esperança é a ultima a morrer.

Eu quero ser feliz, é por isto que estou aqui.





Prometo que vou fazer tudo para o ser, passei demasiado tempo a viver na sombra do que algum dia poderia ser.

Está na hora de aparecer.




   texto da autoria de: Luana




quinta-feira, 7 de julho de 2016

Talvez seja por isso...

Publicada por Sofia Freitas à(s) 11:22 0 comentários
Tenho passado os dias assim, numa constante ansiedade.

Penso em tudo e em nada.












Eu tento, mas não sei se consigo.

Eu não sou quem quero ser, não estou onde quero estar, não sou feliz.

Sinto-me vazia, que não tenho nada para dar e que por mais que tente fazer alguma coisa nunca é o suficiente.

Tento mentir a mim mesma, mas não consigo.

Não estou feliz, nunca reparei se já fui nem deram possibilidade para que isto acontecesse.

Não sei... acho que no fundo sempre estive sozinha, sempre lutei sozinha, nunca ninguém me ajudou.

Talvez porque sempre pensei que podia lidar com os meus próprios problemas.

No fundo nunca me importei.

Sempre fui assim, egoísta e dona do meu nariz. É uma defesa.

Acho que nunca superei a mágoa, tem algo dentro de mim
que me magoa e eu não sei ao certo o que é.

Eu não sei porque sou assim, afinal vem de mim, sou eu.

Talvez essa seja a minha essência.

Talvez seja por isso que nunca fora de afectos, talvez seja por isso que nunca dera certo antes.

Talvez seja por isso que não sou ninguém.

                                                                                                                                                                                     by: Luana

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Algo como, renunciar...

Publicada por Sofia Freitas à(s) 14:31 0 comentários
Vila do Porto, 20 de Novembro de 2015



Olá. Como tem passado?
Sei que não me irá responder nem precisa de o fazer. Só espero e peço que leia, escute a sua voz e repense as suas atitudes.
É com o máximo respeito que lhe escrevo e dirijo estas palavras, é com a educação e o carinho que me foram dados que me dirijo a si, como pessoa, e como segundo pai que para mim foi.
Ainda hoje não consigo perceber o mal que eu ou os meus lhe fizeram, não consigo perceber onde errei, ou o que podia ter melhorado como sua "filha".
Filha? Eu? Não. Não sou, mas tratou-me como tal, fui amada como tal e senti-me como tal.
Contudo, 18 anos feitos e tudo mudou.
Deixei de existir, deixou de se importar, deixou de querer a minha presença e de saber o meu paradeiro.
"Esta é a minha cruz e irei carrega-la para todo o sempre"

Segredos, magoas, tristezas e angústias por si ocultas. E que hoje possibilitam ou torna possível a compreensão das suas atitudes. Que mal lhe fiz eu? Será que me viu como uma substituta? Será que fui um meio para se redimir ou diminuir os seus pecados? Eu não sei. Só gostava de ter resposta a todas estas perguntas.
Lembra-se do favor que me pediu? "Não deixes de os visitar".
Eu não o fiz, continuei a estar presente enquanto a minha falta foi notada, enquanto fui valorizada e não fora julgada.
Sabia que muitas das vezes a nossa relação foi posta em causa?

.
.
.

Há tantas perguntas e tão poucas respostas na minha cabeça. Não posso esconder a emoção que tenho ao dirigir-lhe estas palavras, apesar de tudo continua a fazer-me falta.
Quero agradecer-lhe o tempo que desperdiçou comigo, não me esqueço de cada minuto, de cada gargalhada dada, de cada abraço, de cada palavra. Para mim são momentos que me marcaram e sei que não voltaram a repetir-se, nem a dar espaço a novos. Por escolha sua.


Eu amo-lhe de qualquer jeito, 
de qualquer forma, 
e para sempre.

Luana 

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Do dia para a noite

Publicada por Sofia Freitas à(s) 12:10 0 comentários
É tão bom acordar de manhã e o sol a entrar-nos pela janela, temos um novo dia à nossa espera, com novas batalhas, novas decisões, uma viagem de saberes e um dia de emoções.




É engraçado como as cores e a natureza influenciam o nosso estado de espírito.
A luz devolve-nos a alegria interior, procura a nossa harmonia e a nossa paz de espírito.
A amizade, a lealdade e o amor são as peças chave para viver um dia maravilhoso.



Chama-se a isso a Arte de Viver. Esta é constituída por escolhas, para cada uma há uma consequência boa ou má, vivemos disso! Não é mesmo?! Vivemos para aprender.



“A Vila” foi onde cresci, foi onde encontrei grande parte da minha essência, foi onde desenvolvi uma grande parte de mim.



A noite surge e com ela as duvidas. Memorias e sonhos que as alimentam.


“Devo de partir ou permanecer?”


Na escuridão, encontro-me perdida no brilho da lua e das estrelas.



“A noite ainda é uma criança.”


É à noite que tudo ganha sentido, é à noite que a suavidade, o toque, a paixão e o desejo se instalam. É à noite que tudo muda!



Está na hora de partir, rumo à aventura, rumo à alegria, rumo à felicidade.



Rumo ao nosso futuro!

texto da autoria de: Luana



Imagens concebidas por: NaturArte- Santa Maria Açores 
Paula Melo:

"A minha arte é bem como a Sofia diz (...) um ciclo de acordar a consciência, preparar e finalizar a minha arte, e isto traz muita harmonia!"

Pintura e artesanato das paisagens, casas e igrejas da Ilha de Santa Maria e demais ilhas dos Açores.E-mail: aguasvivas4764@gmail.com



quinta-feira, 20 de agosto de 2015

A carta que nunca te escrevi

Publicada por Sofia Freitas à(s) 11:01 0 comentários
(É aconselhada a leitura do seguinte texto ao som de Birdy - Skinny Love [Official Music Video] )


E durou mais um ano, pensamentos inúteis, memorias que contribuíram para a minha desgraça.
Um ano que encarei o sangue derramado, um amor capaz de destruir.



Sinto que deixei de ser aquela "marioneta", ganhei vida e libertei-me das cordas que me prendiam ao passado, cordas estas que me comandavam.
Não pensei que mais tarde estas poderiam amparar-me a queda.



Posso dizer que esquecer, é quase uma tarefa impossível.
Eu pensei ser paciente, que iria ficar bem, que fosse equilibrada, talvez gentil e que fosse necessário apenas virar a página.
O que aconteceu afinal?
Voltei a acreditar em contos de fadas.



Agora que tudo acabou, acabara-se o amor, a guerra, a vingança, a esperança, a traição e a competição.
Acabou o sentimento que me prendia a ti.



Estou de volta à realidade.
Deixei de insistir naquilo que não me deixava avançar, deixei de ser idiota, deixei de me importar.
Porque haveria eu de continuar a insistir em algo ou alguém que só me faz desistir.



Porque haveria eu de lutar por alguém tão fútil como tu, que sempre me fez acreditar que eu fosse inútil, incapaz e acima de tudo uma desistente.

Só tenho algo a dizer-te:

"Foste o maior erro que cometi, mas também foste a melhor coisa que me aconteceu!"



Não posso ignorar o facto de ter passado óptimos momentos contigo, não posso ignorar as emoções e as sensações que me provocaste.



Apesar de tudo não te consigo ver como uma má pessoa. Entras-te na minha vida por alguma razão.
Prefiro acreditar, que fora apenas para me ajudar a crescer. Não sei como mas de alguma forma o fizeste.



Antes de me despedir, quero agradecer-te. Obrigado por teres feito parte da minha vida, obrigado por me tornares naquilo que sou hoje, e obrigado por seres quem és.

Até um dia!

     



                                                                                                                        texto da autoria de: Luana

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Lá longe surge o destino

Publicada por Sofia Freitas à(s) 14:00 0 comentários
Compreendo o mar, a natureza, a vida, pequenas grandes coisas que me devolvem a harmonia.
Acordei, preparei-me para sair, chegando por fim ao meu destino.



Percorri a praia descalça podendo assim sentir a areia por baixo dos meus pés e o mar a bater-me nas pernas.



Sinto-me bem, a paz instalou-se, está feita a minha escolha.
Calma uma palavra que nunca significou nada para mim, no entanto agora define-me:

Calma, eu sinto-me calma!

Sentei-me na areia de modo a observar o movimento das ondas, assim como elas os sentimentos e sensações vão e vem.



Ao vê-lo recuar, recordo-me de tudo o que passei, as ilusões, os sentimentos, as alegrias, as tristezas, os desgostos, a confiança e a esperança que alimentei ao longo destes anos.



Lá ao longe surge uma nova onda, distinta das de mais, surge lentamente aumentando a sua altura e volume. Assim como ela sinto-me a crescer, crescendo pouco a pouco, tendo a possibilidade de renascer de novo.



Antes sentia-me perdida, agora sei que me reencontrei.
O meu futuro começa agora, a minha vida começa a ganhar forma, novas responsabilidades aparecem e a minha evolução pessoal e profissional modifica-se por completo.

Lá longe surge o destino!


By: Luana

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Memories Up

Publicada por Sofia Freitas à(s) 14:45 0 comentários

(Familia "Ler em Português- Equipa 2)



 (Papito)


(NYC With the Girls)



(Entre Culturas- Dia da Europa Pico 2014)




(Familia- É'Pico 2014)



(Ler em Português- Equipa 2 SMA)



(Infância- 7 Aninhos Anjinho da casa)


(MÃE é TUDO, MÃE é VIDA)


( TEAM- Voleibol Juniores Faial 2015)


(Grupo de Gestão- Churrasco)


(Miminhos Fáfá)


Gala/ Jantar- Finalistas 2015









Dia da Defesa Nacional 14 de julho- 1 dia pela nação





By: Luana







 

Pensamentos de Luana Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos